História do Cinema: 1910-1919

O início da industria cinematográfica e a influência da I Grande Guerra

criação da United Artists

D.W. Griffith, Mary Pickford, Charlie Chaplin (sentado) e Douglas Fairbanks (à direita) na assinatura de criação da United Artists

Depois de nos primeiros anos ser visto como uma novidade, o cinema começa a desenvolver-se e as transformações que ocorrem durante a década de 1910 são os primeiros sinais de uma indústria que viria a marcar intensamente o século XX.

A cada vez maior aceitação do cinema pelo público leva ao surgimento de produtoras independentes, que tentam romper com a Motion Pictures Patents Corporation (MPPC) e a sua hegemonia no mercado de nickelodeons. As novas produtoras, entre elas a Independent Motion Pictures (IMP) e a Famous Players – Lasky Corporation, apostam em longas-metragens, em contra ponto com os pequenos filmes da MPPC, que aliam inovações tecnológicas ao espectáculo. Um dos realizadores que mais se destaca neste período é D.W.Griffith que realiza, em 1915, um dos filmes mais marcantes da história do cinema: O Nascimento de uma Nação.

Um dos factores decisivos que contribuiu para o desenvolvimento do cinema como industria foi a alteração da reacção do público em relação aos actores. Constatando que o público reagia a determinados actores (a ponto de querer saber mais sobre as suas vidas pessoais), os responsáveis pelos estúdios potenciaram essa situação, dando nome aos actores e criando, por vezes, “personagens reais” para alimentar a vontade do público. Nasce, assim, a estrela de cinema, que Hollywood conseguiu potenciar como ninguém.

De França e Inglaterra chegam filmes como La Dame aux Camélias (1911), Henry VIII (1911) e Hamlet (1913), longas-metragens que encontram uma grande receptividade junto de uma classe média cada vez mais receptiva à sétima arte, que, assim, deixa de ser uma mera forma de entretenimento para as classes trabalhadoras. Devido a estes acontecimentos, os nickelodeons entram em declínio e com eles a MPPC.

A década fica marcada pela I Grande Guerra Mundial, que, inevitavelmente, influenciou também a sétima arte. Se até ai o mercado mundial era dominado pelas produções francesas e americanas, com o início do conflito os filmes americanos começam a ganhar terreno devido à redução da produção europeia (com excepção da Suécia, cuja neutralidade permitiu manter uma regular produção cinematográfica).

Pelo final da década, e do conflito armado, a indústria cinematográfica era muito diferente da do início da década: substituídos por salas de cinema, os nickelodeons já praticamente não existiam e actores e realizadores eram agora figuras públicas com uma palavra a dizer no seu trabalho. Reflexo disso mesmo é a criação, em 1919, da distribuidora United Artists pelos actores Charlie Chaplin e Mary Pickford, pelo realizador D.W. Griffith e pelo produtor Douglas Fairbanks.

O final da década evidenciava já o que viria a acontecer nas décadas seguintes: o crescimento de Hollywood e o seu domínio na industria cinematográfica mundial.

Logótipo da UFA

Timeline: Década 1910 – 1919

1910

1911

1912

1913

1914

1915

1917

1918

1919

The End

© Rui Chambel | info(at)chambel.net | #historiadocinema