História(s) do Cinema

@chambel

As histórias da história da Sétima Arte

2,181 words

https://chambel.net @ruichambel1971 Guestbook
You'll only receive email when História(s) do Cinema publishes a new post

Os "ratos" de Hollywood

O Rat Pack
O "Rat Pack":Frank Sinatra, Dean Martin, Sammy Davis Jr., Peter Lawford e Joey Bishop (Imagem: Mental Floss)

Na década de 1950 e 1960, um grupo de actores dominava Hollywood, com os seus filmes, espetáculos, musicais e...festas. Frank Sinatra era o rosto mais visível do grupo que ficou conhecido pela expressão "Rat Pack" e que incluía Dean Martin, Sammy Davis Jr., Peter Lawford e Joey Bishop. Maioritariamente masculino, o grupo também incluía mulheres, designadas de "mascotes", entres as quais Shirley Maclaine e Angie Dickinson.

A expressão "Rat Pack" (grupo de ratos) foi utilizada por jornalistas para designar o grupo, que se auto intitulava de "clã" ou "summit", e tem origem num outro grupo de amigos que, anos antes, se centrava à volta de Humphrey Bogard, Lauren Bacall e de um jovem Frank Sinatra. O grupo de Bogard e Bacall ficou conhecido pela sua independência perante o poder estabelecido em Hollywood e pretendia quebrar a rotina e a monotonia reinante na cidade. Embora informal, o grupo tinha a sua organização (por exemplo, Bacall era a "mãe" do grupo, enquanto Bogard era o responsável pelas relações públicas), numa clara paródia a Hollywood. O ponto de encontro do grupo era a casa do casal, designada de Holmby Hills Rat Pack e de onde advém o nome do grupo, tendo a expressão sido utilizada pela primeira vez por Bacall, após uma noitada de Bogard em Las Vegas com os amigos. Este primeiro grupo incluía ainda: David Niven, Spencer Tracy, Katharine Hepburn, Cary Grant, entre outros.

Com a morte de Bogard no final dos anos 50, o grupo perdeu um dos seus membros mais carismáticos, mas outro assumiu preponderância: Frank Sinatra, que com os seus amigos de Las Vegas constituiu um segundo "Rat Pack". Embora Bacall fosse a "ponte" que unia os dois grupos, o liderado por Sinatra era bem diferente do primeiro, mas o espírito de camaradagem mantinha-se.

O grupo da década de 60 desempenhou um importante papel no desenvolvimento de Las Vegas, não só pela sua "política" de nunca actuar em locais que descriminassem negros, mas também pelos seus espectáculos. Quando um dos membros do grupo tinha um espectáculo agendado era comum os restantes aparecerem de surpresa e actuarem em conjunto. Esta situação levava a que os espectadores esperassem horas pelos espectáculos, muitas vezes na rua ou na entrada dos hotéis esgotados. A popularidade do grupo permitiu estabelecer Las Vegas com uma das capitais do entretenimento e deu ao grupo um grande poder junto dos casinos e na... política, sendo conhecidas as suas ligações ao ex-Presidente John F. Kennedy.

Para além dos espectáculos, o grupo surgiu também em filmes, sendo possível identificar cerca de 11 onde dois ou mais membros do grupo trabalharam em conjunto:

  • A Volta ao Mundo em Oitenta Dias (1956)
  • Deus Sabe Quanto Amei (1958);
  • Never So Few (1959);
  • Os Onze de Oceano (1960);
  • Sergeants 3 (1962);
  • 4 for Texas (1963);
  • Os Sete Ladrões da Cidade (1964);
  • Divórcio à Americana (1965);
  • Dois Contra o Texas (1966);
  • A Corrida Mais Louca do Mundo (1981)
  • A Corrida Mais Louca do Mundo II (1984).

De todos, Os Onze de Oceano é o filme mais emblemático do grupo, reflectindo a sua imagem irreverente e onde participam todos os membros do grupo, inclusive as actrizes Angie Dickinson e Shirley Maclaine.

Em meados da década de 60, a popularidade do grupo começa a decrescer, resultado da contra-cultura que iria marcar o final dos anos 60 e início dos anos 70. Muito embora o seu declínio, os membros do grupo mantiveram-se unidos e continuaram a participar em espectáculos musicais e em alguns filmes.

A influência do "Rat Pack" foi tal que as suas histórias (muitas delas inventadas) entraram para o folclore da cidade dos sonhos e o grupo ainda hoje é relembrado através de recriações e tributos. Esta popularidade foi acentuada pelo remake de Os Onze de Oceano (Ocean's Eleven - Façam as Vossas Apostas, realizado em 2001), que popularizou ainda mais a fama à volta do grupo liderado por Sinatra.

The End

© Rui Chambel | cinema[@]chambel.net

Os Dez de Hollywood


Os Dez de Hollywood (Wikimedia)

O fim da 2a Guerra Miundial (1939-1945) trouxe bastante tensão entre os aliados Estados Unidos e União Soviética. Esta tensão, que durou cerca de 46 anos e ficou conhecida como Guerra Fria, provocou, nos Estados Unidos, um forte sentimento anticomunista e uma verdadeira "caça às bruxas". O seu epicentro foi o "Comité de Investigação de Actividades Antiamericanas", criado em 1938 pelo congresso Norte-Americano para investigar a actividade de grupos comunistas e fascistas, mas que ganhou força com a Guerra Fria.

Em 1947, o Comité virou a sua atenção para a indústria cinematográfica, na tentativa de provar que comunistas se tinham infiltrado em Hollywood, nomeadamente na associação de argumentistas, e que existiam filmes que continham propaganda aos ideais comunistas. A reacção inicial da comunidade cinematográfica foi de revolta contra este ataque aos seus direitos, mas rapidamente a situação mudou, quando um grupo de profissionais testemunhou perante o Comité e apoiou as suas actividades, nomeadamente denunciando colegas. Das centenas de profissionais suspeitos de actividades comunistas e intimados a comparecer perante o Comité, dez recusaram testemunhar, alegando que os seus direitos estavam protegidos pela Constituição, e colocaram em causa a legitimidade das investigações. O grupo, que ficou conhecido como os "Dez de Hollywood", pagou caro as suas acções, já que foram julgados por desrespeito ao Congresso e sentenciados a um ano de prisão e a pagar uma multa de mil dólares cada. No entanto, a sua pena não ficaria por aqui, já que, à excepção de um deles (Edward Dmytryk, que, entretanto, decidiu colaborar com o Governo e denunciou mais de 20 outros colegas), o grupo passou a fazer parte da "lista negra de Hollywood".

A lista foi criada pelos maiores responsáveis da indústria cinematográfica que, numa reunião em Nova Iorque em 1947, decidiram unir esforços para eliminar actividades subversivas na indústria e, assim, mostrar o seu patriotismo perante o Governo e a opinião pública. A lista incluía qualquer profissional investigado, acusado ou apenas suspeito da mínima actividade comunista e, como consequência, as pessoas na lista eram impedidas de trabalhar na indústria cinematográfica. Suspeita-se que mais de 300 pessoas terão feito parte da "lista negra" (sempre negada pelos estúdios de Hollywood) e deixado de exercer a sua profissão.

O Comité cessou as suas funções em 1954, mas a "lista negra" apenas terminou durante a década de 1960. Muito embora as suas figuras controversas, já que eram comunistas assumidos, os "Dez de Hollywood" são as faces mais visíveis de um episódio que envergonha a indústria cinematográfica norte-americana. Os Dez de Hollywood são:

  • Herbert J. Biberman (1900-1971) - realizador
  • Edward Dmytryk (1908-1999) realizador
  • Robert Adrian Scott (1911-1972) - produtor
  • Lester Cole (1904-1985) - argumentista
  • Albert Maltz (1908-1985) - argumentista
  • Samuel Ornitz (1890-1957) - argumentista
  • Dalton Trumbo (1905-1976) - argumentista
  • Ring Lardner Jr. (1915-2000) - argumentista
  • John Howard Lawson (1894-1977) argumentista
  • Alvah Bessie (1904-1985) - Argumentista

The End

© Rui Chambel | cinema[@]chambel.net

Pancho Villa e o Cinema


Pancho Villa (Wikipedia)

O cinema está recheado de histórias incríveis e nenhum outro período é tão fértil como o do cinema mudo. Uma dessas histórias é a do revolucionário mexicano Pancho Villa, que assinou um contracto com a Mutual Film Corporation para a venda dos direitos cinematográficos da revolução mexicana.

No início do século XX, o México era liderado pelo presidente Porfirio Diaz, cuja governação oprimia o povo e levou à insurreição em 1910. Uma das facções revolucionárias era comandada pelo general Pancho Villa, que dominava o norte do país e a fronteira com os Estados Unidos. Como excelente estratega que era, Villa, cujo nome verdadeiro era José Doroteo Arango Arámbula, cedo se apercebeu da importância dos meios de comunicação e utilizou-os para promover a sua imagem, nomeadamente nos Estados Unidos. É neste contexto que Villa assina um contracto, em 1914, com a Mutual para a cedência dos direitos cinematográficos das suas acções militares, no valor de 25 mil dólares mais parte dos lucros do filme.

Na época, a popularidade do cinema nos Estados Unidos crescia a cada dia que passava e todos os filmes eram poucos para um público ávido de novidades cinematográficas. A par de melodramas e comédias, os newsreels com imagens de guerra eram também bastante populares e, neste contexto, o contracto entre a empresa cinematográfica americana e o revolucionário mexicano surge naturalmente.

Ao longo dos anos, muitas histórias têm sido escritas sobre o contracto, nomeadamente sobre as suas “estranhas” cláusulas. Uma delas supostamente referiria que as batalhas apenas poderiam decorrer entre as 9h da manhã e as 16h da tarde, uma vez que era o período ideal para se filmar. Mais, seria o operador de câmara que, ao gritar “acção!”, daria início aos ataques de Villa. Outra história que chegou até aos nossos dias é a da Mutual ter “vestido” Villa e os seus homens com guarda-roupa de filmes, já que os trajes dos mexicanos não tinham impacto cinematográfico suficiente. Estas histórias são isso mesmo e o único exemplar existente do contracto (que se encontra num museu no México) nada refere sobre estas cláusulas.

O que se sabe verdadeiramente é que as condições de filmagem não foram fáceis e o actor e realizador Raoul Walsh (A Pista dos Gigantes), que a Mutual enviou para o México, viu-se obrigado a encenar as cenas de batalha, utilizando os próprios guerreiros de Villa. No entanto, nem assim a Mutual ficou muito entusiasmada com as imagens que chegavam do México. Uma vez que as imagens não eram muito diferentes do que as conseguidas noutras guerras sem contrato, a empresa alterou a sua estratégia e decidiu produzir um filme de ficção sobre a vida de Pancho Villa (The Life of General Villa) e onde foram incorporadas as imagens já filmadas. Com as novas novas indicações da Mutual, Walsh regressou a Los Angeles, onde completou o filme com cenas rodadas em estúdio e interpretou um jovem Pancho Villa.

The Life of General Villa, que está dado como perdido, estreou em Nova Iorque no dia 14 de Maio de 1914 e foi bem recebido, quer pela crítica, quer pelo público. No entanto, é referido como um banal melodrama, que vale mais pela sua perspectiva histórica do que pela sua mais-valia artística.

The End

© Rui Chambel | cinema[@]chambel.net

Alice Guy-Blaché, Pioneira da Sétima Arte


Alice Guy-Blaché (Wikipedia)

A história do cinema está cheia de figuras pioneiras, que os tempos esqueceram. Alice Guy-Blaché é uma dessas figuras e cujo contributo foi fundamental para o desenvolvimento do cinema enquanto arte.

Alice Guy nasceu a 1 de Julho de 1873, em Paris. Filha de pais franceses, que viviam no Chile, Alice viveu os seus primeiros anos com a avó, até os pais regressarem a França, onde viriam a morrer pouco tempo depois.

A nível profissional, Alice Guy começou a sua carreira como secretária de Leon Gaumont, que trabalhava para um fabricante de máquinas fotográficas. Quando o negócio deste entrou em dificuldades económicas, Gaumont, em conjunto com outras figuras, entre elas Gustave Eiffel, comprou o inventário da empresa e formou, em 1895, a Gaumont, que viria a ser uma das mais importantes empresas cinematográficas do mundo. Alice acompanhou Gaumont na nova empresa e como responsável pela produção o seu trabalho revelou-se inovador, nomeadamente na utilização de cor, de som, de efeitos especiais e no desenvolvimento da narrativa cinematográfica, cujo melhor exemplo é La Fée Aux Choux (1896), considerado o primeiro filme narrativo da história do cinema. Em 1906, Alice realiza dois outros marcos da sua carreira: La Vie du Christ, a sua primeira longa-metragem e um dos grandes blockbusters da época do cinema mudo, com 25 cenas e cerca de 300 figurantes, e La Fée Printemps, que utiliza efeitos especiais a cores.

Em 1907, Alice casa com Herbert Blaché, que, pouco depois, foi nomeado responsável de produção da Gaumont nos Estados Unidos. Alice acompanha o marido para os Estados Unidos e, após trabalharem juntos na Gaumont norte-americana, o casal decide formar a sua própria empresa: a Solax Company. Sediada em Nova Iorque, a Solax tornar-se-ia no maior estúdio pré-Hollywood e onde Alice continuou o seu trabalho como directora artística, escrevendo e realizando grande parte da produção da empresa.

Em 1922, Alice Guy-Blaché realiza Tarnished Reputations, que viria a ser o seu último filme e dois anos depois divorcia-se, regressando a França. Ai tenta retomar a sua carreira, mas a dificuldade em provar o seu curriculum, já que poucos ou nenhum dos filmes da Gaumont sobreviveram, levam-na a escreve romances a partir de argumentos cinematográficos e a dar palestras sobre cinema. Esquecida durante décadas, Alice Guy-Blaché viu o seu trabalho reconhecido em 1955, quando foi condecorada pelo Governo Francês com a Legião de Honra. Nove anos mais tarde regressa os Estados Unidos para viver com uma das suas filhas, falecendo em 1968.

Com uma carreira de mais de 700 filmes, que abrangeram géneros tão diferentes como o drama, o western e as biografias, o trabalho de Alice Guy-Blaché permitiu o desenvolvimento do cinema, ajudando-o a transformar-se técnica e esteticamente.

The End

© Rui Chambel | cinema[@]chambel.net