O studio system

Nos Estados Unidos, a década de 30 é marcada pelo domínio dos grandes estúdios de Hollywood, que anos antes tinham lutado contra o domínio da Motion Pictures Patents Company, sendo possível identificar estilos próprios: a Metro-Goldwyn-Mayer era conhecida pelas suas estrelas e filmes de qualidade, a “pobre” Columbia Pictures pelas comédias de Frank Capra e a Warner Bros. pelos seus dramas sociais e filmes de gangsters.

A década é também marcada pela utilização do som na sétima arte e que viria a transformar a indústria: os actores começaram a dar mais atenção à voz, os estúdios procuraram no teatro actores mais expressivos, os escritores foram obrigados a definir os personagens através de palavras e os escritores de cartões (intertítulos) ficaram no desemprego. Mas o som permitiu também o nascimento de um novo género: o musical, aparecendo, então, estrelas como Maurice Chevalier, Fred Astaire e Ginger Rogers.

O início da década de 30 é também marcada pela produção dos primeiros filmes a cores: o desenho animado da Walt Disney Flowers and Trees, de 1933, e a longa-metragem Becky Sharp, de 1935. Em desenvolvimento desde a década de 1890, a tecnologia de filmes a cores teve o seu melhor exemplo com o épico E Tudo o Vento Levou. Produzido em 1939, o filme foi um dos muitos que se produziram durante o que é considerado o melhor ano da história da sétima arte. Outros filmes produzidos nesse ano: Cavalgada Heróica, Peço a Palavra, Ninotchka, O Feiticeiro de Oz, Gunga Din, Dark Victory.

Em França, o trabalho de realizadores como Jean Renoir, Jean Vigo, René Clair e Marcel Carné reflectem uma visão negra que antecipa a guerra que se avizinhava. Antes da guerra, a Alemanha produzia mais de 200 filmes por ano, onde se destacavam os trabalhos de Fritz Lang e G.B.Pabst. Após a ascensão de Hitler em 1933, a industria cinematográfica alemã passa a ser controlada pelo Ministro da Propaganda, Joseph Goebbles, dando origem a verdadeiras homenagens ao fascismo, como o filme de Leni Riefenstahl O Triunfo da Vontade. Em Espanha, o cinema é controlado pela Companhia Industrial del Film Espanol e com a ascensão do ditador Franco, no final da década, os filmes passam para a mão do Estado. Na União Soviética, a produção é dominada por dramas, adaptações literárias e acontecimentos históricos, destacando-se o trabalho do realizador Sergei Eisenstein.

» 1930
– Greta Garbo interpreta o seu primeiro filme sonoro, Anna Christie, cujo slogan publicitário era: “Garbo Fala!”.

O Presídio, realizado por George Hill, é o primeiro melodrama passado numa prisão.

– O Presidente da 20th Century Fox, William Fox, é forçado a vender o estúdio por $18 milhões de dólares depois de ter perdido a sua fortuna no crash da bolsa em 1929.

– A Itália estreia o seu primeiro filme sonoro, La Canzone dell’ Amore, realizado por Gennaro Righelli.

A Oeste Nada de Novo é banido na Alemanha devido à sua mensagem pacifista.

– No inicio de década, os estúdios Paramount Pictures, Warner Bros. e 20th Century Fox são os donos da maioria das salas de cinema dos Estados Unidos.

– Nasce o primeiro jornal diário dedicado exclusivamente à indústria cinematográfica: The Hollywood Reporter.

– Em Março de 1930, o Código de Produção é adoptado pela indústria americana para reger a filmagem de cenas que abordem sexo, religião, violência e outros assuntos sensíveis.

» 1931
– Devido à grande depressão, o número médio de espectadores diminui nos EUA (de 90 milhões em 1930 para 60 milhões em 1933); os estúdios passam por tempos difíceis e as salas de cinema para atrair mais espectadores recorrem a expedientes como as secções duplas.

– A RKO Radio Pictures adquire a empresa francesa Pathé.

– Os estúdios americanos, na tentativa de impedir o constante assédio às suas estrelas entre si, acordam em limitar essa prática.

– A Universal Pictures estreia Dracula e Frankenstein, interpretados por Bela Lugosi e Boris Karloff, respectivamente, e inicia o seu famoso ciclo de filmes de terror.

– A Warner Bros. inventa o filme de gangsters com a produção de O Pequeno César e O Inimigo Público.

– O realizador francês Jean Renoir estreia o seu primeiro grande filme da década (La Chienne), um sucesso junto da critica, mas um desastre comercial.

– A Índia e o Japão produzem os seus primeiros filmes sonoros: Alam Ara e Madamu to Nyobo, respectivamente.

– Fritz Lang estreia o seu filme Matou!.

» 1932
– A Paramount deixa de ser dona dos estúdios Astoria em Nova Iorque; os estúdios passam a ser um centro de produção independente.

– Com receio da concorrência da rádio, os exibidores pretendem que os estúdios impeçam as estrelas de cinema de aparecerem na rádio; alguns estúdios aceitam temporariamente o pedido.

– A Walt Disney estreia o primeiro desenho animado a cores, Flowers and Trees.

– A Metro-Goldwyn-Mayer contrata Jean Harlon, que viria a tornar-se uma das grandes estrelas do estúdio, e o escritor William Faulkner, que viria a ganhar o Prémio Nobel.

– Shirley Temple faz a sua estreia no cinema com apenas três anos de idade.

– A Kodak introduz no mercado o filme de 8mm, destinado a realizadores amadores.

– Alexander Korda funda, em Inglaterra, a London Films.

– O filme do realizador soviético Sergei Eisenstein Que Viva Mexico!-Da Zdravstvuyet Meksika!– é suspenso devido à falta de apoio financeiro do autor Upton Sinclair.

– O filme L’ Armata Azzurra, um tributo à força área de Mussolini, é o primeiro filme de propaganda italiano.

– O Egipto estreia o seu primeiro filme sonoro, Inshudat el Fuad.

– O psicólogo alemão Rudolf Arnheim publica Film as Art, trabalho teórico sobre o formalismo cinematográfico.

» 1933
– O governo americano permite que os grandes estúdios controlem a produção, distribuição e exibição dos seus filmes, tornando-se verdadeiros monopólios.

– A Paramount Publix e a RKO, detentoras da Paramount Pictures e da RKO Pictures, respectivamente, declaram falência.
– Fred Astaire e Ginger Rogers surgem juntos pela primeira vez no filme Flying Down to Rio.

– O primeiro drive-in é inaugurado em New Jersey.

– Na Alemanha, os nazis assumem controlo da indústria cinematográfica e forçam os judeus a abandonar os seus postos de trabalho; os estúdios de Hollywood acedem a despedir os judeus que trabalham nos seus escritórios alemães.

– O filme do produtor Alexander Korda The Private Life of Henry VII, é um marco de qualidade na história do cinema inglês.

– Hedy Lamarr ganha notoriedade internacional ao aparecer nua no filme checo Extase.

» 1934
– O Código de Produção começa a ser rigidamente aplicado e assim se manterá até meados da década de 60.

– O responsável da Metro-Goldwyn-Mayer, Louis B. Mayer, utiliza o serviço de notícias (newsreel) do estúdio contra o candidato a Governador da Califórnia Upton Sinclair; este acabaria por perder as eleições.

– A Columbia Pictures estreia Woman Haters, a primeira das 190 comédias interpretadas pelos Três Estarolas.

– O realizador francês Jean Vigo morre com tuberculose aos 29 anos, no mesmo ano em que estreia a sua obra-prima, A Atalante.

– A Warner Bros. fecha o seu escritório de distribuição em Berlim em reacção à política anti-semita do governo Nazi Alemão.

» 1935
– Os estúdios de Hollywood começam a recuperar financeiramente, depois dos difíceis anos da Grande Depressão.

– A fusão entre a Twentieth Century Pictures e a Fox Film Corporation leva à criação da 20th Century Fox.

– É criada a Republic Pictures, uma das mais famosas produtoras de filmes B. David O. Selznick abandona a Metro-Goldwyn-Mayer e torna-se num produtor independente.

– Estreia do primeiro filme a utilizar o sistema de 3 cores da Technicolor, Becky Sharp.

– É criado, em Roma, a escola de cinema Centro Sperimentale di Cinematografia.

– Leni Riefenstahl realiza o filme de propaganda nazi O Triunfo da Vontade.

– Em Inglaterra, J. Arthur Rank começa a construir o seu império cinematográfico, ganhando domínio em todos os aspectos da indústria cinematográfica.

» 1936
– Carl Laemmle, fundador da Universal Films, vende o estúdio a um grupo de investidores por pouco mais de $5 milhões de dólares.

– Com o apoio da Pathé, é fundado um novo estúdio em Hollywood: Grand National.

– A Pionner Pictures funde-se com a Selznick Internacional.

– David O. Selznick adquire os direitos sobre obra de Margaret Mitchell E Tudo o Vento Levou.

– Numa encíclica, o Papa Pio XI denuncia os filmes indecentes.

– Aos 16 anos, Lana Turner é descoberta quando trabalhava numa loja pelo editor do Hollywood Reporter que a recomenda ao realizador Mervyn Leroy.

– O filme de estreia da cantora Deanna Durbin, de apenas 15 anos, é um sucesso comercial e salva a Universal da falência.

– A personagem Bugs Bunny é criada por um grupo de desenhadores da Warner Bros.

– É criada, em Paris, a Cinemateca Francesa.

» 1937
– A 20th Century Fox é o primeiro estúdio a usar a rádio para promover os seus filmes.

A Branca de Neve e os Sete Anões, da Disney, é a primeira longa-metragem de animação.

– A invasão japonesa de Shangai, na China, obriga a grande comunidade cinematográfica da cidade a emigrar para Hong-Kong e Taiwan; os japoneses utilizam os estúdios ocupados para produzir filmes de propaganda.

Saint Tukaram é o primeiro filme indiano a vencer um prémio internacional, ao ser premiado no Festival de Veneza deste ano.

» 1938
– O realizador inglês Alfred Hitchcock aceita realizar o seu primeiro filme americano, produzido por David O. Selznick.

– O realizador soviético Mark Donskoy estreia o primeiro filme da Trilogia de Maxim Gorky (1938-1940).

– A Inglaterra aumenta a quota de exibição de filmes ingleses e encoraja o investimento americano na produção inglesa.

» 1939
– Os estúdios americanos têm o seu melhor ano, com um vasto conjunto de filmes aclamados artisticamente.

– O estúdio Grand National entra em processo de falência.

– Estreia de E Tudo o Vento Levou, um dos maiores sucessos comerciais da história da sétima arte e um dos mais aclamados pela crítica.

– Hattie Mcdaniel vence o Óscar na categoria de melhor actriz secundária e torna-se a primeira pessoa de raça negra a vencer um Óscar.

– Em consequência do início da II Grande Guerra, as salas de cinema em Inglaterra fecham temporariamente as suas portas.

A Regra do Jogo, a obra-prima do realizador francês Jean Renoir, é um fracasso comercial aquando da sua estreia.