Subscreva o Chambel.net e receba os artigos directamente na sua caixa de correio

História do Cinema: 1910 – 1919

O início da industria cinematográfica e a influência da I Grande Guerra

Depois de nos primeiros anos ser visto como uma novidade, o cinema começa a desenvolver-se e as transformações que ocorrem durante a década de 1910 são os primeiros sinais de uma indústria que viria a marcar intensamente o século XX.

A cada vez maior aceitação do cinema pelo público leva ao surgimento de produtoras independentes, que tentam romper com a Motion Pictures Patents Corporation (MPPC) e a sua hegemonia no mercado de nickelodeons. As novas produtoras, entre elas a Independent Motion Pictures (IMP) e a Famous Players – Lasky Corporation, apostam em longas-metragens (em contra ponto com os pequenos filmes da MPPC) que aliam inovações tecnológicas ao espectáculo. Um dos realizadores que mais se destaca neste período é D.W.Griffith que realiza, em 1915, um dos filmes mais marcantes da história do cinema: O Nascimento de uma Nação.

Um dos factores decisivos que contribuiu para o desenvolvimento do cinema como industria foi a alteração da reacção do público em relação aos actores. Constatando que o público reagia a determinados actores, a ponto de querer saber mais sobre as suas vidas pessoais) os responsáveis pelos estúdios potenciaram essa situação, dando nome aos actores e criando, por vezes, “personagens reais” para alimentar a vontade do público. Nasce, assim, a estrela de cinema, que Hollywood conseguiu potenciar como ninguém.

De França e Inglaterra chegam longas-metragens como La Dame aux Camélias (1911), Henry VIII (1911) e Hamlet (1913) que encontram uma grande receptividade junto de uma classe média cada vez mais receptiva à sétima arte, que deixa de ser uma mera forma de entretenimento para as classes trabalhadoras. Devido a estes acontecimentos, os nickelodeons entram em declínio e com eles a MPPC.

A década fica marcada pela I Grande Guerra Mundial, que inevitavelmente influenciou também a sétima arte. Se até ai o mercado mundial era dominado pelas produções francesas e americanas, com o início do conflito os filmes americanos começam a ganhar terreno devido à redução da produção europeia (com excepção da Suécia, cuja neutralidade permitiu manter uma regular produção cinematográfica).

Pelo final da década, e do conflito armado, a indústria cinematográfica era muito diferente da do início da década: os nickelodeons já praticamente não existiam, substituídos por salas de cinema e actores e realizadores eram agora figuras públicas com uma palavra a dizer no seu trabalho. Reflexo disso mesmo é a criação, em 1919, da distribuidora United Artists por Charlie Chaplin, Mary Pickford, D.W. Griffith e Douglas Fairbanks.

O final da década evidenciava já o que viria a acontecer nas décadas seguintes: o crescimento de Hollywood e o seu domínio na industria cinematográfica mundial.

» 1910
– A MPPC tenta controlar a distribuição cinematográfica mas enfrenta a oposição de produtores independentes como Carl Laemmle e William Fox.

– A MPPC tenta limitar a exibição de filmes estrangeiros nos Estados Unidos.

– D.W. Griffith compra, pela primeira vez na história do cinema, os direitos cinematográficos de uma obra de ficção (Ramona).

Alice Guy-Blaché, uma das pioneiras do cinema, o seu marido Herbert e George A, Magie fundam a Solax Company, que viria a tornar-se no maior estúdio de cinema pré-Hollywood.

– A França, Itália e a Dinamarca são os principais exportadores de filmes para os Estados Unidos.

– As primeiras salas de cinema começam a surgir na Alemanha.

– Até 1913, a produção da empresa Dinamarquesa Nordisk Film é reconhecida internacionalmente.

» 1911
– O público contesta a distribuição dos filmes de D. W. Griffith em várias partes e a Biograph decide distribui-los por inteiro.

– As comédias deixam de dominar a produção cinematográfica, assistindo-se ao proliferar de outros géneros: dramas, westerns e recriações históricas.

– A Nestor Company é o primeiro estúdio a iniciar actividade na Califórnia.

– Na Europa, os filmes têm uma duração superior a 15 minutos e as suas histórias são cada vez mais complexas.

– A indústria britânica começa a perder terreno para produção francesa e americana.

– O estado da Pennsylvania, nos Estados Unidos, cria um comité de censura.

» 1912
– Adolph Zukor funda a Famous Players e Carl Laemmle cria a Universal Film Manufacturing, que mais tarde viria dar origem à Universal Pictures.

– A Keystone Pictures Studio distribui o seu primeiro filme, tornando-se no estúdio dominante durante década.

– Francis X. Bushman e Beverly Bayne tornam-se no primeiro par romântico da história do cinema.

– O governo americano e o distribuidor William Fox processam o Fundo Edison e a MPPC por práticas ilegais.

– No Japão, vários estúdios tentam controlar o mercado, criando a empresa Nippon Katsudoshashin.

– Estreia do primeiro filme indiano, Pundalik. Realizado por P.R. Tipnis e N.G. Chitre em Bombaim, Pundalik conta a história da vida do santo hindu com o mesmo nome.

» 1913
– A cidade de Nova Iorque cria legislação para regulamentar as salas de cinema, dando origem ao primeiro “palácio” cinematográfico em 1914.

– A produção italiana de 8 bobines Quo Vadis, é um sucesso internacional, sendo exibido em Nova Iorque durante meses, custando, cada entrada, o preço record de $1,50 dólares.

– O realizador Cecil B. de Mille aluga um celeiro em Hollywood para o seu filme The Squaw Man; mais tarde viria a ser o local da Paramount Pictures.

– A Edison Company demonstra em Nova Iorque o filme sonoro, mas o sistema não funciona correctamente.

» 1914
– A personagem “O Vagabundo” de Charlie Chaplin surge pela primeira vez no filme Kid Auto Races at Venice.

– Chaplin começa a realizar os seus próprios filmes.

– Os filmes de animação tornam-se populares, surgindo personagens como “Gertie, o Dinaussauro” e ” Felix, o Gato”.

– A primeira grande sala de cinema abre em Nova Iorque.

– A Inglaterra produz os seus primeiros desenhos animados.

– Durante a I Grande Guerra Mundial, os países ocupados reduzem a sua produção.

» 1915
– A estreia do filme O Nascimento de uma Nação, de D. W. Griffith, torna-se um acontecimento social. O filme tem a sua própria banda sonora (que se torna um êxito) e o preço do bilhete custa $2 dólares, o mesmo que uma entrada para o teatro. O filme provoca protestos anti-racistas, levando o presidente americano a condenar o filme.

– A MPPC é formalmente acusada de práticas ilegais e há muito perdera o controlo da indústria para as produções de Hollywood.

» 1917
– Na Alemanha, o governo, o Banco Nacional Alemão e investidores conservadores adquirem pequenos estúdios e criam a produtora/distribuidora UFA, que vira a torna-se no estúdio dominante no país e um dos mais importantes da Europa.

– Os filmes japoneses começam a utilizar técnicas como flashbacks e planos aproximados e as mulheres começam cada vez mais a interpretar papeis femininos, quebrando a tradição de todos os papeis serem interpretados por homens.

» 1918
– Após anos de litígios, a MPPC deixa de existir.

– A Warner Bros. distribui o seu primeiro filme e a Ebony Film Corporation distribui o primeiro apenas com actores negros.

– Estrelas de cinema participam no esforço de guerra, interpretando papéis em filmes de propaganda e vendendo acções de guerra.

» 1919
– Charlie Chaplin, Mary Pickford, Douglas Fairbanks e D. W. Griffith criam a United Artists para produzirem e distribuírem os seus próprios filmes.

– Os estúdios começam a adquirir salas de cinema.

– Oscar Micheaux, o primeiro realizador negro, realiza o seu primeiro filme (The Homesteader).

– Os Estados Unidos dominam o mercado cinematográfico europeu.

– Após a revolução, Lenin nacionaliza o cinema soviético, levando a que alguns realizadores emigrem para Europa e Estados Unidos.

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 2.3/5 (3 votes cast)